terça-feira, 30 de agosto de 2016

O político

          
          Aproveitando o momento político e as eleições que se aproximam, todas as propagandas políticas e as caras de safados estampadas em "santinhos" pelas ruas. Acho que é propício falar um pouco mais do que eu penso sobre os políticos que governam nosso país. Acredito que não adiantara nada escrever aqui, pois a maioria das pessoas fica tomada pelo espírito de mudança em períodos eleitorais. Todos uniformizados, com discursos afiados, teorias salvadoras e inovadoras. Uma legião de empolgados eleitores ansiosos por exercerem a cidadania. Loucos para legitimar a mesma roubalheira e palhaçada de sempre. Já escrevi sobre politica aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui. São no mínimo estes seis textos. Eles basicamente falam da mesma coisa e com o mesmo ponto de vista, se interessar basta clicar nos "aquis". Não almejo cargo politico algum, mas pago meus impostos e não estou satisfeito com os serviços que estão me apresentando. Então aproveito o momento e dou minha explicação pobre sobre política e minha opinião sobre essa classe que "nos serve".
          No Brasil o politico é uma pessoa que ocupa ou almeja um cargo público. Temos os vereadores, vice-prefeitos e prefeitos dentro do município. Esses são assessorados pelos secretários e diferentes pastas. Estes também têm seus assessores. A nível estadual temos os deputados estaduais, o vice-governador e o governador. Para assessorá-los também temos os diferentes secretários e suas respectivas pastas. A esfera federal constitui-se de deputados federais representando os estados, senadores, também representando seus respectivos estados, o vice-presidente e o presidente da república. Este último assessorado pelos ministros e demais assessores. Para completar o cenário temos os três poderes, tanto em âmbito municipal, estadual como no âmbito federal, são eles o Legislativo composto por vereadores, deputados e senadores, respeitando as devidas hierarquias. Temos o Executivo, prefeitos e vices, governadores e vices, presidentes e vices, mais seus ministros e secretários. Por fim, temos o Judiciário, poder independente que julga o cumprimento e a legalidade das leis. Analisando a grosso modo, é basicamente isso que temos no ambiente politico principal. Claro que temos diversos outros tipos de personagens e ambientes políticos, mas me ative ao poder público de forma bem simplificada.
          Sai de cena o politico formal e seu ambiente teórico e entra a pessoa. Você tem duas opções básicas para entrar para a politica, se oferecer para se filiar a um partido ou ser procurado por um partido. Os partidos são compostos por diversos personagens formais como o presidente, tesoureiro, assessores em geral, e os informais que abrangem todo o resto. Os partidos políticos seguem uma ideologia de acordo com a vontade de seus fundadores, teoricamente. Conceitos de esquerda, direita, centro, conservador, progressista, comunista, trabalhista, democrático, liberal e assim por diante, adjetivos que costumam integrar as siglas dos partidos. O ambiente competitivo já inicia dentro dos partidos e os nomes começam a ganhar ou perder visibilidade dentro das próprias rotinas internas das siglas as quais são afiliados. Digamos que os partidos políticos são os times que os postulantes a cargos públicos precisam ser filiados ou representar para concorrerem em uma eleição. Conforme a popularidade dos partidos, aumentada ou não pela nominata que os representa, eles garantem espaços diferentes no legislativo, pois no executivo somente um partido pode estar representado na figura de um único nome.
          Todo esse contexto ilustrado acima existe para que haja um governo que represente a população geral de um município, estado ou da federação, arrecade recursos para sua subsistência e para a manutenção dos itens sociais básicos característicos como saúde, educação, habitação, economia, transporte, segurança e produção, para citar os mais importantes. Para isso ele propõe, discute e aprova leis que formam o macro regimento e os micro regimentos. Ele também é responsável pela implantação e fiscalização das práticas resultantes de suas leis e projetos. O financiamento disso tudo vem dos impostos cobrados percentualmente de cada movimentação econômica, seja na forma de comércio de bens ou de serviços. Toda atividade econômica gera impostos para o governo. Para que essa cobrança de impostos seja feita e o montante seja redistribuído para diversos fins, existem organizações governamentais, mistas ou privadas responsáveis por cada tipo de atividade.
          O sistema politico resultante desse fluxo de atividades e organizações é parte muito importante de toda a estrutura social de uma nação. Essa é formada pela população e suas características culturais, comerciais, intelectuais, biológicas e de toda adequação necessária ao ambiente para que possibilitem uma existência dentro de certos padrões previamente definidos. Entre os não políticos efetivamente estão os militantes e simpatizantes de determinados partidos, ideias ou movimentos, assim como existem os sindicatos e outras entidades representativas de algum nicho profissional ou social. Quando chegamos a essa parte da estrutura politica, onde a composição é feita pelas classes mais baixas, é onde temos maior quantidade de indivíduos e menor renda per capta. Essa é a base da pirâmide.
          Então a pirâmide social é composta por uma base de classe baixa e de característica rural e/ou proletária. Trabalhadores humildes que pagam os impostos ou não, mas que dependem muito da estrutura controlada pelo governo como obras sociais, sistemas de saúde e ensino públicos, atividade rural ou operária. Também se incluem os miseráveis e os incapacitados. De uma forma ou de outra também pagam impostos já que tudo que compramos é tributado em algum momento ou vários momentos. Essa base ampla e mal estruturada financeiramente sustenta a grande maioria de todo o complexo sistema financeiro. Acima dessa base temos alguns empresários de menor porte que conseguem oscilar de estágios. Podem tanto cair para a base como podem subir para o próximo nível. Esses caracterizam-se por explorar mão de obra barata e se servem da informalidade, muitas vezes. Porém, existem os profissionais autônomos e os microempresários sérios e cumpridores de seus deveres. Esses geram empregos e possuem condições melhores de vida, mas também são os mais propensos a descer pra base do que subir de nível.
           A pirâmide segue com um nível mais elitizado, mas com variações de perfis. Aqui estão aqueles propensos a descer de nível, mas que vez por outra podem ascender devido as suas oportunidades. Aqui estão as estatais de médio porte, as empreiteiras, os políticos em geral e alguns comunicadores e meios de comunicação. Os empresários bem sucedidos podem passar por períodos nessa posição em algum momento. Aqui é onde o capital flui em maior abundância em contratos com governos e multinacionais. Esse estágio garante luxo e riqueza para quem consegue atingi-lo e para se manter nele é necessário grande montante de dinheiro e influência no mercado. E a classe mais alta no país é aquela em que estão os mega empresários das telecomunicações, os políticos corruptos mais bem sucedidos, os grandes empresários das áreas agrícolas e da industria. Esses são os donos da mídia, dos políticos menores, das regras de mercado e das decisões econômicas. É para eles que todos os demais trabalham.
          Esse cenário completo é que espera um politico. Portanto, por mais que no inicio um individuo possa acreditar em algum ideal, ele não vai conseguir defendê-lo ou por em prática suas ideias. Como vimos no inicio, há um filtro que antecede cada etapa, portanto, quem entra na politica com boas intenções desiste delas em pouco tempo. Quem tem o desprendimento para fazer acordos e receber favores terá sempre vantagem. Por mais baixo que seja um cargo politico, o salário é maior do que o da maioria dos trabalhadores comuns. Não é necessário um investimento em uma graduação ou preparação acadêmica ou técnica, basta fazer o jogo de forma precisa e ter alguns pré-requisitos. Como bônus há o poder de se envolver em tramoias e desviar dinheiro de algum projeto, superfaturar notas de serviços, fraudar benefícios, cobrar propina, essas coisas. Por mais que não se possa provar a totalidade da corrupção na politica que envolve grandes empresários e empresas, o que atrai alguém para uma carreira politica é o poder e o dinheiro.
          Então o sujeito expõe sua família, seu nome, sua imagem perante toda a sociedade, mas garante muito dinheiro e uma vida de luxo para seus filhos e netos, quando muito é preso quando já está velho e recebe penas brandas e tem toda uma máquina politica por trás para aliviar seu sofrimento. Isso é tudo feito de forma escancarada e mesmo assim muita gente veste a camisa de partidos políticos, adotam ideias como se fossem suas e tem a esperança que as coisas mudem. A história mostra que o poder é quem escolhe seus representantes. A ideia já está fixa e definida na cabeça de todos. Há uma herança maldita perpetuada por porcos que se reciclam de tempos e tempos, se mantem no poder e desfrutando de todos os benefícios que ele disponibiliza. A cada eleição, cada vez que conseguem dividir a população, uns a favor de A outros a favor de B, eles tem garantido o direito de roubar o máximo que puder e com o aval da população. 
          Aqueles que acreditam que um governo vai investir em educação, por exemplo, não só estão enganados como fazem papel de idiotas. O formato do jogo politico só se garante porque há uma população ignorante em sua maioria. Escolas, cursos técnicos e faculdades, atualmente só servem para direcionar verbas a serem desviadas, dar o mínimo de instrução para que se tenha mão de obra útil e consumidores sedentos, se multiplicar a alienação cultural, social e politica que é pregada nas escolas e universidades. Não há um planejamento para o desenvolvimento de profissionais capazes de atender a necessidade brasileira. O que há é a formação de profissionais medíocres para abastecer a necessidade das multinacionais, que são quem realmente detêm a patente, o controle e o know how sobre a produção dos bens de consumo. Não há uma industria de tecnologia 100% brasileira que possa atender as demandas de televisões, computadores, Smartfones, carros, motos, sistemas de segurança, softwares, equipamentos hospitalares, máquinas industriais, e todo o resto. Tudo vem de fora porque não temos profissionais capazes de atender a demanda por uma empresa brasileira. As escolas particulares são melhores, mas também cobram muito caro e muitas vezes não contam com profissionais preparados para a função.
          Isso também pode ser notado na saúde. Temos médicos ricos que encabeçam diversas operações fraudulentas, mesmo que eles já sejam muito bem remunerados. Eles usam as estruturas construídas com dinheiro público para enriquecer ainda mais e fazer suas tramoias enquanto a população morre nos corredores dos hospitais por falta de atendimento. Temos as máfias dos planos de saúde, onde muitas vezes nenhum hospital ou exame está acessível para quem precisa. Na maioria dos casos paga-se muito caro para ser atendido em um guichê diferente no mesmo hospital e pelos mesmos médicos do sistema único de saúde. Ou seja, paga-se dobrado para se ter um pouco mais de conforto para marcar uma consulta. Isso é um fato que afetaria também os mais ricos, pois os mesmos podem precisar dessa estrutura em uma emergência. A realidade mostra que futuro nos aguarda. Não são apenas os pobres que sofrem com a violência diária e os problemas estruturais, todo o contexto padece com a situação que deixamos se criar. Agora pode ser tarde para que haja uma saída possível, portanto olhe bem nos olhos dos políticos que vão até você para pedir seu voto. É o mesmo discurso de sempre do mesmo tipo de pessoa querendo fazer o mesmo tipo de coisa.
Postar um comentário