sábado, 1 de outubro de 2016

Eleições

          Numa eleição o que se decide é uma guerra de egos entre os escolhidos de determinados grupos que se alternam no poder. Normalmente são as mesmas pessoas que vemos a cada dois anos, com pouca variação. Quem se elegeu na eleição anterior, ou cumpre o mandato apoiando alguém ou se candidata a um cargo melhor. Aqueles que não se elegeram, concorrem novamente a qualquer cargo que o grupo ao qual ele representa escolher. Durante a campanha eleitoral o que temos é um festival de sujeira nas ruas, tanto física, como panfletos e cartazes, como sonora, discursos e carros de som. A ideia é sempre a mesma, tentar convencer os eleitores a se decidirem por eles. Nessa fase, todos os candidatos são honestos, atenciosos, humildes e bem intencionados. Todos eles tem a exata noção do que a população precisa e sabem perfeitamente como fazer as coisas acontecerem para suprir essas necessidades. Os discursos e as bravatas são as mesmas de sempre. Tudo decorado e de acordo com a imagem que a sigla que ele representa prega. 
          A mídia tem papel fundamental no processo eleitoral, pois ao divulgar pesquisas de intenções de voto, elas direcionam os resultados e manipulam a disputa para aqueles que elas tem preferência. Por exemplo: Um candidato X concorre a reeleição e um candidato Y é o representante mais significativo da oposição. Ao divulgar pesquisas de intenção, quem é contra o candidato de situação, no caso X, vai votar em Y, e vice versa, quem é contra as ideias do candidato Y, vai votar e reeleger X. Enquanto isso, os outros candidatos de partidos menores ou de menor prestígio na região no momento, ou por qualquer outra razão, ficam em segundo plano na cabeça dos eleitores, pois muitos pensam que se votarem em algum candidato que não seja X ou Y, estará desperdiçando seu voto escolhendo um candidato mal colocado nas pesquisas. Normalmente a mídia prefere que a disputa vá para segundo turno, pois terá mais noticias e a audiência subirá devido aos programas especiais, a cobertura da eleição e os debates. A não ser que, por algum motivo qualquer, seja mais interessante para ela, um candidato ganhar em primeiro turno. Não é raro vermos candidatos que estão atrás nas pesquisas irem para o segundo turno e ganharem eleições para o executivo. Nesses momentos as estratégias e a vontade da mídia dão errado.
          Mas tudo isso não importa muito. Num país que nada funciona, acreditar que este sistema de urnas eletrônicas é confiável, pra mim soa inocente demais. E outra. Independentemente dos candidatos eleitos, nada mudará. São todos formados na mesma escola do populismo e corrupção. Eles representam os velhos grupos de sempre. Acreditar na politica é mais infantil, bizarro, inocente e idiota do que acreditar em Papai Noel e Coelhinho da Páscoa. Onde envolve dinheiro e poder, as criptonitas do ser humano, todos querem a mesma coisa. Esqueça os projetos, as histórias de vida sofrida, as acusações, e tudo o mais que vem a tona nessa época. É tudo falso e faz parte da encenação para enganar você. Se formos pensar um pouco, veremos que há uma alternância no poder dos mesmos grupos, e aqueles que não são eleitos, normalmente conseguem cargos interessantes nos bastidores.
          Se o candidato que você votar vencer a eleição, caso você seja uma pessoa de bem, cada morte que acontecer por falta de segurança, cada pessoa que morrer num hospital por falta de atendimento, ou morrer no transito por algum erro na fiscalização ou por obras inacabadas, coisas do tipo. Quando houver crianças sem creches ou fora da escola, pessoas desempregadas, corrupção, tudo isso, tenha a nobreza de se apresentar como cúmplice e pedir desculpas as pessoas. As coisas que falei são responsabilidade dessas pessoas que você elegeu. Se é adepto do "vou votar no menos pior", saiba que você é um irresponsável, pois mesmo sabendo que são ruins, você ainda apoia um deles. Você até pode achar que é radicalismo, mas basta olhar ao redor. Se você não é beneficiado pelo esquema, terá a isenção necessária para avaliar todo o caos que está a nossa volta. Sem entrar no mérito da questão, pois isso seria assunto para um outro texto. mas a verdade é que os políticos só fazem alguma coisa boa para a sociedade e as pessoas mais simples quando precisam do apoio do povo para seus interesses e essa é a contra partida dada meio a contra gosto.
          Daí a pergunta: "O que fazer então?" A resposta é simples: Vire as costas para os políticos. Não vote em ninguém. Fique isento. Se todos fizerem isso o sistema começará a ruir. Já não haverá o apoio das grandes empresas que só lucram com tudo isso. Esses mesmos indivíduos que hoje desfrutam das regalias que proporcionamos a eles os elegendo, terão que mudar de tática. É algo simples de se fazer, mas o resultado não é imediato. Porém, não custa chegar para um candidato ou um cabo eleitoral e dizer: _Me desculpe, mas não confio em você. Não concordo com o que você representa, portanto, não venha pedir meu apoio." Dessa maneira você poderá ficar em paz com a sua consciência, afinal, você não será cúmplice de todo o lixo que se esconde por trás da politica do nosso país e de todo esse processo mentiroso e manipulador.
          Pra finalizar, fica aqui minha dica. Preste atenção que quando for votar, você já vai perceber infrações como boca de urna e tentativas de compra de voto. Você precisa ir até sua seção mesmo para não ter problemas futuros por não ter comparecido. Nosso processo eleitoral é tão democrático que obriga todos os cidadãos aptos a votar a participar do processo. Mas não se engane, quando dizem que você é parte da mudança, que os próximos quatro anos dependem de você, que é a festa da democracia, que você é muito importante para as decisões do país, isso é mentira, eles não pensam assim. Você é importante na sua casa ajudando com seu trabalho a sustentar a família, educando os filhos, proporcionando aos seus uma vida digna. Você é importante no seu trabalho, agindo de maneira correta e executando bem as tarefas que lhe são designadas. Você é importante para seus amigos, sendo confiável e respeitado por eles. Numa eleição você é só mais uma peça no processo e estará apenas escolhendo o fantoche que vai roupar parte do dinheiro dos seus impostos e facilitar para que os verdadeiros interessados possam seguir roubando e usando como bem entendem o poder que você dá a eles. Pense nisso. Clique aqui para assistir meu vídeo no Youtube onde falo a respeito disso também.
Postar um comentário