sábado, 28 de janeiro de 2017

O mínimo que você precisa saber pra não ser um idiota


          Este livro organizado pelo jornalista e blogueiro da Veja, Felipe de Moura Brasil, e lançado pela editora Record, é uma coletânea de diversos artigos escritos pelo filósofo e jornalista Olavo de Carvalho ao longo dos anos. Este tipo de literatura vem ganhando notoriedade no Brasil, pois o livro lançado em 2013 vendeu mais de 100.000 cópias, assim como outros autores alternativos e que pautam suas ideias contrariando as teorias esquerdistas. É uma iniciativa ousada, tanto para a editora, que normalmente trabalha com escritores de ideologia esquerdista, como para o jornalista responsável pela organização dos textos, notas de organização e autor da ideia. Digo isso, pois é notório o receio em publicar algo ideologicamente contrário aos interesses dos governantes brasileiros, que pregam teses populistas para chegar ao poder e se utilizam de grandes empresários e operações fraudulentas para se manter no poder. Escritores como o notório Nelson Rodrigues tem suas obras raramente distribuídas e formam perdendo espaço ao longo dos últimos vinte anos. Olavo de Carvalho está vivendo a mais de dez anos nos Estados Unidos por conta da dificuldade de continuar escrevendo para os veículos brasileiros, devido a interferência do governo sobre as redações de jornais. O que é normal, em se tratando do governo petista, que prefere ir apagando aos poucos as teorias contrárias as suas e varrer para baixo do tapete toda a imundice que produzem. Lobão teve diversos shows cancelados, foi perseguido e hostilizado por ser abertamente contra Lula e o PT. A mesma coisa aconteceu com a atriz Regina Duarte, que agora só faz pequenas participações na televisão depois de ter se posicionado contra o governo também. Dentro deste contexto, mesmo havendo um mercado sedento por literatura liberal ou conservadora, as editoras e a mídia em geral tem receio de lançar esse tipo de trabalho, preferem perder dinheiro, sequer publicam maiores informações sobre obras deste tipo. Entretanto, a Record está na vanguarda lançando obras de Rodrigo Constantino, Flavio Morgenstern, Reinaldo Azevedo, Lobão e Olavo de Carvalho, ainda por cima tem traduzido para o português diversas obras de autores estrangeiros.
          O livro em si, contém em torno de 500 páginas, com textos de diversas épocas, como já foi falado anteriormente, já que Olavo escreveu para os grandes veículos de jornalismo do Brasil, organizados por temas de forma gradual, dos mais leves até os mais polêmicos. Os assuntos variam desde juventude, aprendizado, politica, religião, partidos políticos, revoluções e por ai vai. Pelo conteúdo já dá pra se ter uma ideia de porque Olavo saiu da Folha, do Globo, Zero Hora e que tais. Ele denuncia com a petulância de quem tem a informação privilegiada, a coragem de divulgá-la e comentá-la com o tom adequado. Seu alvo favorito é o socialismo/comunismo e seus revolucionários e seguidores, atacando de forma dura e quase ofensiva as intenções implícitas dos esquerdistas, não só no Brasil, mas no mundo todo. Desde a denuncia sobre a atuação do Foro de São Paulo, desde o inicio dos anos 1990, até os escândalos envolvendo o governo Obama, que a mídia se emprenha em esconder ou desconversar, quando não ignora totalmente. Olavo era atual a dez ou quinze anos atrás, e seus prognósticos vieram a se confirmar. Mesmo tendo uma rispidez quase neurótica ao tratar de alguns assuntos, não dá pra desprezar o conteúdo de suas teses e o embasamento teórico de sua escrita. Usando linguagem simples para desenvolver teorias complexas, apenas um analfabeto ou um completo idiota não conseguirá entender exatamente o que cada texto quer dizer.
          O Olavo de Carvalho em si, aparenta ser bem humorado e esperto em suas teses e discursos. Está a mais de quarenta anos exercendo atividades intelectuais, que o faz pulsar nos textos anti-socialista, pois demonstra conhecimento histórico e profundo sobre as causas que defende e as que ataca. Mas, mesmo sendo ferrenho oponente as teorias de esquerda, que simplesmente dominaram o Brasil e parte do mundo no século XX, existem outros assuntos abordados pelo escritor como, educação, comportamento e o próprio comportamento público em si. Claro, que um profissional com este estilo e acidez, haveria de se manter no underground pelo governo petista, pois se suas teses ganhassem o grande público antes, a realidade seria outra hoje em dia. Em tempos que a mídia, em sua maioria, nada investiga, prefere inventar noticias, replicar o que é divulgado por dois ou três veículos mais importantes e colocar panos quentes nos assuntos mais polêmicos, um jornalista como Olavo é uma ilha a ser explorada por quem realmente questiona as "verdades" apresentadas cotidianamente nos noticiários. Tardiamente, muitas pessoas tem encontrado sua obra e tendo uma visão menos torta do contexto político e social atual. Mesmo com mensalões e petrolões, precisou uma operação como a "lava jato" para despertar a atenção das pessoas para os crimes praticados no Brasil. Isso fez com que o filósofo ganhasse seguidores que começam a mostrar sua cara. O cenário politico brasileiro fez com que despertasse uma voz que a muito não era ouvida pelo público em geral. 
          Acho normal que o pessoal de esquerda odeie escritores como Olavo de Carvalho. Afinal, desde a ditadura militar a esquerda tem e hegemonia cultural. Nas faculdades, nos cursos de humanas, só se fala em Karl Marx, New Left, Escola de Frankfurt, Revolução Fabiana e Antonio Gramsci e Olavo conhece a fundo essas teorias e ainda pode dissecá-las aos mínimos fragmentos, ainda dar inúmeros exemplos práticos do que ele está dizendo. Se a esquerda abrir a guarda e não conseguir segurar essa vertente que Olavo de Carvalho representa, em poucos anos a forma como o brasileiro vê sua história e seus políticos será modificada radicalmente, pois não há sequer um escritor esquerdista que possa refutar, não só as teses, mas a verdade dos fatos como Olavo tem feito. Seria covardia e uma humilhação intelectual, pôr algum destes políticos do PT, Psol, PSTU, REDE e que tais, frente a frente com uma pessoa como Olavo, ou mesmo um de seus alunos de filosofia. Por isso o titulo deste livro em particular é "O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota", para que mude o enfoque da análise das noticias e, principalmente, dos discursos que estamos acostumados a ver por ai, que tentam mudar a história e tirar qualquer verdade dos fatos. Não apenas li os textos presentes no livro, como fui atrás de mais informações em diversas fontes diferentes, além das citadas por Felipe de Moura Brasil em suas notas, e constatei que as pessoas, fatos e efeitos estavam fielmente descritos na maioria dos casos citados pelo escritor. Tracei paralelos com o que saiu na mídia e que estava escrito nos livros dos autores citados, e pude ver que nada daquilo é fantasia. Mesmo os veículos mais tradicionais, chegaram a divulgar notas sobre temais mais complexos, mas acabaram maquiando os fatos ou dando uma abordagem vazia, mas as notícias estão lá.
          Esse livro é extenso e polêmico, mas contém uma matéria prima rica para aqueles que gostam confrontar suas ideias com teorias opostas. Para aqueles que acreditam que o Lula é o pai dos pobres, Cuba é um paraíso e a URSS era um sonho, vão detestar o conteúdo apresentado aqui, pois bate de frente com tudo que acreditam, jogando fatos e teses na cara sem o menor pudor. Entretanto, como falei acima, não há hoje sequer um escritor de esquerda que apresente alguma qualidade para rechaçar as teorias propostas pelo filósofo, o que seria muito interessante para o debate se tornar mais rico e interessante. O que noto nos discursos de defensores da esquerda é o mesmo teor do século passado, sem nenhuma atualização ou fato novo. O texto permanece igual e até eu já decorei por ter ouvido tantas vezes.
          Para encerrar, quero deixar registrado aqui que, por mais que uma pessoa tenha determinada convicção sobre algum assunto, é sempre bom confrontar seus argumentos de forma séria. Quando se fala de história, politica e ideologia, isso é ainda mais importante, porque somos os agentes da história e precisamos encarar isso com a responsabilidade o tema merece. Como citei acima, Olavo de Carvalho conhece muito os obras e as ideias dos principais autores de esquerda, além de buscar, e ter exito, as informações mais intimas e fundamentais sobre os acontecimentos e fatos. Portanto, não adianta tentar argumentar sobre o Capital, as técnicas de preenchimento de espaço de Gramsci, o uso da mídia como falsa opositora, e ao mesmo tempo, multiplicadora das teorias do governo, artigos encomendados de jornalistas oportunistas, ameaças de retalhação, teorias de perseguição e calunia, nada disso cola mais e a população está acordando para esse fato. Se tem um bando de sindicalistas que se presta a ouvir os discursos de Lula e todo aquele blá blá blá, ao mesmo tempo há o pessoal que está de saco cheio de ouvir a mesma ladainha e está buscando alternativas, as eleições de 2016 mostraram isso. Chega de dizer que o PSDB é de direita, que todo mundo é fascista por não querer mais ser enganado pelo discurso velho e fedorento que está ai a quase um século. Se as teorias são tão boas assim, porque não deram certo em lugar algum? Por que boicotar quem discorda ao invés de convencê-los? Falta argumento para um debate sério? Faltam fatos para comprovar as teses amplamente difundidas? Façam-me o favor de estudar um pouco e tirar o Brasil das ultimas colocações em qualidade de ensino do mundo.
      
Postar um comentário